DIROFILARIOSE

O que é a Dirofilariose?

A Dirofilariose é uma doença parasitária causada por um verme redondo, semelhante às lombrigas do intestino, mas que se aloja no coração. Este verme cardíaco é conhecido por Dirofilaria immitis e transmite-se por meio da picada de um mosquito, logo, qualquer cão exposto às picadas dos mosquitos está sujeito à doença.

Esta doença afecta cães e eventualmente gatos, mas nunca os seres humanos. 

Como se transmite?

Tudo começa numas pequeninas larvas existentes no sangue de um cão doente. Um mosquito ao picar esse cão ingere as larvas juntamente com o sangue. Quando o mosquito pica um cão saudável as larvas vão infectar esse cão. Estas larvas migram até ao coração e atingem a maturidade, podendo os vermes adultos atingir 30 cm de comprimento. Os vermes reproduzem-se e lançam mais larvinhas na corrente sanguínea que serão ingeridos por mosquitos ao picarem esse animal. E assim sucessivamente. 

Pode dizer-se que o mosquito é o veículo, provocando a disseminação da doença dos cães infectados para os cães saudáveis.

Quais os sintomas?

Infelizmente a Dirofilariose canina provoca lesões muito graves antes do aparecimento dos sintomas visíveis. Na altura em que os sintomas aparecem, a doença está de tal forma avançada que as lesões nos orgãos internos podem já ser irreversíveis.

O primeiro sintoma de dirofilariose pode só aparecer um ano após a infecção e muitas vezes caracteriza-se por uma tosse ligeira de que o dono não se apercebe. Esta tosse acentua-se depois do cão fazer exercício e vai gradualmente piorando, podendo o animal eventualmente perder a consciência e desmaiar.

Animais com dirofilariose cansam-se facilmente, estão geralmente fracos e perdem peso, podendo tossir sangue. Há medida que a doença vai progredindo, respirar torna-se cada vez mais difícil afectando drasticamente a qualidade de vida do animal. Ele deixa de conseguir apanhar um brinquedo ou dar o passeio diário sem stress respiratório, devido ao desenvolvimento de uma insuficiência cardíaca congestiva.

Devo fazer o despiste de Dirofilariose?

Se viver num local normalmente infestado de mosquitos é aconselhável efectuar análises ao sangue, mesmo antes de existirem sintomas da doença. Esta medida é, apesar de tudo, mais barata e tem uma margem de segurança maior do que o tratamento, médico ou cirúrgico, pois embora estes sejam o único meio para salvar a vida do animal, são procedimentos por si só bastante arriscados.

Há locais onde esta doença é menos disseminada e os cuidados de prevenção são por isso desprezados. Mas mais vale prevenir do que remediar, especialmente quando se tratam de animais que gostam de acompanhar os donos nas suas viagens e que podem entrar em contacto com mosquitos a “darem boleia” às dirofilárias. Se esta doença é esquecida e os exames preventivos não são feitos, na maioria das vezes, só quando o cão se queixa de tosse, cansaço e de outos sinais é que esta doença é lembrada. 

Como se previne a Dirofilariose?

Antigamente quando não havia os medicamentos preventivos actuais, tinha de se lutar contra os mosquitos. Tal luta é muito difícil e incompleta. Felizmente temos à disposição no mercado português alguns fármacos preventivos de dirofilariose sob a forma de comprimidos que devem ser administrados mensalmente de preferência todo o ano, pois no nosso clima é provável que haja mosquitos em certas áreas 12 meses por ano. Estes medicamentos podem estar associados no mesmo comprimido a outros antiparasitários que combatem os vermes redondos e inibem o desenvolvimento da pulga.

Contudo, não se deve iniciar nenhum programa preventivo sem que o seu veterinário determine se o seu cão tem ou não vermes no coração, uma vez que em caso de ser portador o tratamento preventivo pode colocar em risco a sua vida. Isto é feito através de um teste rápido, que apenas requer a colheita de umas gotinhas de sangue do seu animal. Caso este teste se revele negativo deverá começar imediatamente o seu programa mensal de prevenção contra a dirofilariose.

Mas não se esqueça que o seu cão deve estar sempre protegido contra os mosquitos, porque eles também transmitem outras doenças importantes como a Leishmaniose.

Um Edifício com História

Um Edifício com História

A construção do edifício hoje ocupado pela CVL remonta ao início do século passado, quando uma jovem recém-casada sentia saudades dos pais e do seu quintalinho, embora tivesse ido viver para cerca de 7 km apenas. Contudo, nessa época, era bem mais complicado vencer...

Leishmaniose canina

Leishmaniose canina

O que é a Leishmaniose? A Leishmaniose é uma doença provocada por um protozoário (parasita microscópico) do género Leishmania, que infecta canídeos e ocasionalmente o gato e roedores. Além disso, a Leishmaniose é uma zoonose, ou seja, pode infectar o Homem,...

Ansiedade por Separação

Ansiedade por Separação

Caracteriza-se por sinais clínicos e comportamento de stress que resultam da angústia causada pela ausência, ou falta de atenção, por parte do dono. Os sinais clínicos mais frequentemente observados são: Vocalização (ganir, ladrar ou uivar), Eliminação (micção...

Close Bitnami banner
Bitnami