Cuidados com gatinhos recém-nascidos

Nas duas semanas a seguir ao parto, o gatinho é totalmente dependente da mãe. Durante este período, os seus sentidos desenvolvem-se rapidamente: equilíbrio, a visão, a audição, o tacto, o gosto e o faro evoluem todos em direcção à maturidade. Substituir a mãe neste período crítico é um desafio que implica muita responsabilidade, mas que também é muito gratificante.

Primeiro que tudo, é necessário determinar a idade do gatinho. Eles só abrem os olhos entre o 7º e 15º dia, portanto se ainda tem os olhos fechados significa que ainda é muito pequeno e vai precisar de cuidados redobrados.

Ter a caminha do gatinho num local calmo e quentinho. Pode ser usada uma caixa ou um caixote com material confortável e limpo. Podem ser utilizados resguardos que facilmente se deitam fora ou tecido que se lave frequentemente.

Colocá-la num local quente e sem muitas correntes de ar (na primeira semana de vida a temperatura ambiente deve ser cerca de 33ºC). Podem ser usadas botijas de água quente envoltas em toalhas ou como alternativa aquecedores ou ventiladores, que devem ser utilizados com precaução de maneira a não termos uma temperatura demasiado alta, nem o ar demasiado seco. Quando têm cerca de duas semanas de idade, os gatinhos já conseguem controlar melhor a sua temperatura corporal e pode-se ir diminuindo gradualmente a temperatura para cerca de 20ºC.

Pôr junto à caminha um relógio grande de ponteiros, pois o tic-tac mimetiza a frequência cardíaca da mãe. Apesar dos recém-nascidos ainda não terem capacidade auditiva, as vibrações têm um efeito calmante.

Estimulá-los a fazer as suas necessidades, usando um algodão com água morna para massajar e limpar a zona anal e genital, simulando a acto de limpeza executado pela mãe. Deve-se secar bem o gatinho após cada vez, com cuidado para não irritar a zona anal. Quando começam a movimentar-se e a explorarem deve pôr-se uma caixa (que deve ser baixinha para eles entrarem) com um bocadinho de areia para gatos. A partir do 15º dia o gatinho consegue lamber a sua zona anterior e por volta das 3 semanas de idade consegue fazer as suas necessidades na caixa de areia. 

Alimentá-los com substituintes do leite próprios que satisfazem as necessidades nutricionais dos gatinhos. Devem-se usar biberões apropriados e a tetina adequada, que já vêm com alguns produtos do mercado, e ter a certeza que o gatinho consegue beber do biberão. Deve manter-se numa posição fisiológica natural (patinhas para baixo) para evitar engasgamentos e possíveis pneumonias por aspiração. É importante seguir as instruções do produto, aquecendo o leite em banho-maria, como se de um bebé se tratasse. 

Quando alimentados, inicialmente, os gatinhos terão uma tendência para beberem o leite sofregamente, mas facilmente se cansam e perdem o interesse. Quando

assim é, deverá ser feito um intervalo em que são estimulados a urinar e posteriormente dar-se mais leite, fazendo 3 a 4 ciclos destes por refeição de maneira a estes ficarem completamente satisfeitos

A partir das 3 semanas poderá pôr-se à disposição comida seca apropriada para gatinhos em desmame e gradualmente ir misturando com o leite até por volta das 6 semanas de idade, em que deverá ser retirado o leite.

Entre a 2ª e 7ª semana é importante proporcionar aos gatinhos um “meio enriquecido”, ou seja, fontes de estímulos adequadas para despertar os sentidos e a inteligência. Ter à disposição, mesmo que apenas durante alguns minutos por dia, diversos objectos (pequenas bolas, sacos de papel, caixas de cartão para se poder esconder) e peças de madeira para trepar.

A sociabilidade do gato pode ser influenciada, habituando o animal a ser manipulado por diversas pessoas durante as primeiras semanas de vida, tornando-o assim um animal de carácter fácil.

Nas primeiras semanas de vida deve estar especialmente atento a:

  • Apetite – deve ir ao veterinário se o gatinho deixa de comer.
  • Actividade
  • Crescimento
  • Hábitos de higiene – contactar veterinário se urina ou fezes mudarem.
  • Sinais de infecção respiratória superior – como espirros e corrimentos nos olhos e no nariz. Muitas vezes os olhos ficam com tantas “remelas” que os gatinhos não os conseguem abrir. Devem-se limpar com um algodão com água morna e deve levar o seu gatinho ao veterinário.
  • Desparasitação – com 15 dias de idade os gatinhos devem iniciar o seu protocolo de desparasitação interna (contra lombrigas) e caso tenham muitas pulgas e carraças também devem ser desparasitados externamente com produtos apropriados à sua idade, de maneira a não serem tóxicos.

Enquanto o gatinho não estiver vacinado contra as principais doenças ele não deve entrar em contacto com outros animais, especialmente se não estiverem vacinados e deve permanecer em casa ou num local onde não tenha acesso a zonas possivelmente contaminadas com vírus transmissíveis por outros animais.

Problemas e doenças de comportamento

Problemas e doenças de comportamento

Por definição, saúde implica mais do que ausência de doença física. O bem-estar emocional e social são vectores importantes na vida de qualquer animal, como diz a velha máxima “mente sã em corpo são”. Enquanto espécies diferenciadas, cães e gatos exibem reportórios...

Condroproteção

Condroproteção

A condroprotecção tem um papel fundamental na saúde articular, permitindo uma melhoria na qualidade de vida e em alguns casos um aumento do tempo de vida com qualidade dos nossos animais. Existe uma predisposição genética para algumas doenças ósseas e articulares...

Um Edifício com História

Um Edifício com História

A construção do edifício hoje ocupado pela CVL remonta ao início do século passado, quando uma jovem recém-casada sentia saudades dos pais e do seu quintalinho, embora tivesse ido viver para cerca de 7 km apenas. Contudo, nessa época, era bem mais complicado vencer...

Ligar Agora
Close Bitnami banner
Bitnami